Jubileu 2017 | 150 anos do Bocado do Pobre

Publicado por: Paróquia São José Trabalhador 27/12/2016

A obra do bocado do Pobre nasceu em Palermo, na Sicília, no ano de 1867 e em 2017 completará 150 anos de história, aproximando ricos e os pobres através da caridade.

A história do Bocado do Pobre começa com um jovem altivo, chamado Giácomo Cusmano, que viveu em Palermo, na Sicília italiana, num período de grandes crises da Europa, especialmente na Itália.

bocado-do-pobre-02

Formado em medicina, o jovem Cusmano começou a carreira indo ao encontro dos doentes e atendendo de casa em casa, o que deu a ele um panorama dinâmico das desigualdades sociais e dos problemas que assolavam o povo da sua região.

No início da segunda metade do século XIX a Sicília vivia uma instável situação política, especialmente pela disputa armada travada entre aqueles que defendiam a Unificação da Itália e os que queriam a permanência da região como dependente à dinastia dos Bourbons.

Nesse período de instabilidades e de disputas político-econômicas os pobres viam ainda mais agravada a fome e a miséria, sendo esta a realidade que o médico Giácomo Cusmano presenciava no exercício de sua profissão.

Inquietado com esta situação e compadecido com a pobreza material e moral daquele povo, o exemplar médico entendeu que poderia fazer mais que curar os corpos, poderia também curar as almas. Nascia assim a vocação sacerdotal: movida pelo intenso zelo aos mais pobres e desamparados.

 Ordenado padre em 1860, Giácomo Cusmano exercia seu ministério como médico do corpo e da alma, mantendo aceso em seu coração a necessidade de fazer algo maior para cuidar dos pobres. Humilde e zeloso com o voto da obediência, Pe. Giácomo insistia com seu diretor espiritual para que aprovasse uma obra de caridade que trouxesse um alento aos pobres que atendia como sacerdote.

bocado-do-pobre-04

Monsenhor Domênico Turano resistia com a aprovação da obra porque via dificuldades para os anseios do seu dirigido: a grande demanda dos pobres e poucas pessoas dispostas a ajudar.

Entre a ordenação sacerdotal e o início da obra foram sete anos de intensa inquietação do Pe. Giácomo, que só fazia crescer em seu coração o desejo de fazer algo a mais para as famílias carentes. Nos anos de 1866 e 1867 a crise econômica na Sicília se intensificou, desemprego, revoltas armada; os jornais vinham diuturnamente anunciando a situação de miséria do povo, famílias inteiras dizimadas pela fome.

Uma dessas reportagens trazia a notícia de duas pessoas que haviam falecido em duas famílias de Palermo, vítimas da fome. Pe. Giácomo vai imediatamente até seu diretor espiritual e implora a aprovação da sua obra de caridade. Vendo a insistência do padre e reconhecendo a vontade de Deus em seus projetos, Monsenhor Turano aprova a obra do Pe. Giácomo Cusmano que corre imediatamente ao encontro daquelas duas famílias a as atende com alimentos, roupas e carinho de um servo de Deus.

Para o modelo de funcionamento da associação, Padre Giácomo se baseou em uma experiência que presenciou na casa de seu amigo Miguel de Franchis; era a hora do almoço e cada familiar que estava à mesa tirava de seu prato um bocado de comida e formava um novo prato que era disponibilizado para um pobre que batesse à porta.

A partir desse modelo o padre pensou: se cada família de Palermo fizer isso é possível acabar com a fome. Nascia então o Bocado do Pobre a 21 de fevereiro de 1867. Primeiramente coube ao Pe. Giácomo a tarefa de buscar o bocado nas casas daqueles que podiam ajudar, subia e descia as escadas e ruas da cidade até ter alimentos suficientes para os seus pobres. Porém, seria humanamente impossível atender à grande demanda sozinho e mais pessoas se fizeram necessárias para levar à frente tão grande empreitada.

bocado-do-pobre-05

O Bocado do Pobre foi crescendo e os primeiros anos de atividades foram junto à Igreja dos Santos Quarenta Mártires, onde Pe. Giácomo exercia seu sacerdócio. Em 1868 a obra recebeu a aprovação do Papa Pio IX e se tornou uma associação querida pelo povo de Palermo.

Em 1880 foi fundada a Congregação das Irmãs Servas dos Pobres, em 1884 foi dado hábito aos Irmãos Servos dos Pobres e em 1887 iniciou a primeira casa destinada à formação de sacerdotes Servos dos Pobres.

O maior objetivo do Bocado do Pobre é a aproximação de ricos e pobres através da caridade, resumido numa frase do fundador: “não queremos a caridade do ouro, mas sim o ouro da caridade”. Assim, a obra foi instituída não somente para quem recebe, mas também para possibilitar a doação daqueles que têm.

Leandro Pereira | Seminarista em Curitiba

_______________________ 

Fotos | Missa Solene de abertura do ano jubilar dos 150 anos da Obra do Bocado do Pobre



Comentários do Facebook

Copyright ©2019 | Arquidiocese de Curitiba - Paróquia São José Trabalhador | Todos os direitos reservados.

Desenvolvido por Dintstudio
×Fechar