Ano Nacional Mariano: celebrar e agradecer a Nossa Senhora Aparecida

Publicado por: Paróquia São José Trabalhador 28/03/2017

A Igreja Católica brasileira está em festa. Em 2017, celebramos os 300 anos do encontro da imagem de Nossa Senhora Aparecida nas águas do rio Paraíba do Sul, em São Paulo. Há três séculos, por misericórdia de Deus e Providência Divina, nascia aquela que viria a ser nossa Rainha e Padroeira.

Para celebrar esta data especial, a CNBB – Conferência Nacional dos Bispos do Brasil – instituiu o Ano Jubilar Mariano. Trata-se de um período de fé e devoção que começou em outubro do ano passado e segue até o dia 11 de outubro de 2017. Um ciclo criado para contemplação de Maria como modelo de fé e obediência a Cristo.

Desde 2014, as dioceses de todo o Brasil já se preparavam para este momento glorioso. Várias paróquias receberam a visita de uma réplica da imagem peregrina da Santa. Ao percorrer cidades e suas periferias a representação bendita transformou-se em uma grande ação de graças.

Agora, somos firmemente convidados a mergulhar, pela intercessão de Maria Imaculada, no amor infinito de Deus. É com entusiasmo e júbilo que devemos celebrar os 300 anos de graças e bênçãos da nossa Mãe Soberana. Será uma temporada de esperança e certeza, em que  famílias inteiras devem se envolver ativamente neste processo de renascimento da história de Nossa Senhora Aparecida.

Como viver o Ano Mariano

Para participar com triunfo do Ano Nacional Mariano devemos compreender este tempo como um ensejo para a evangelização e missão, seguindo o justo exemplo da Rainha do Céu. Por amor a Deus e a Virgem Maria devemos ampliar nossa vida de oração, penitência e sacrifício. A entrega deve ser total.

É a celebração da nossa fé. Devemos rezar o terço todos os dias (e o Santo Rosário sempre que possível) na intenção das almas e pela reparação das ofensas cometidas contra o Imaculado Coração de Maria.

Lembrando que muitas almas se perdem por não terem quem reze ou faça penitência por elas. “É um ano não só para louvar a Deus, mas para reaprender com Nossa Senhora como seguir Jesus Cristo, como ser um verdadeiro cristão nos dias de hoje”, enfatiza o Arcebispo de Brasília e presidente da CNBB, dom Sergio da Rocha.

Ao confiar na incansável intercessão materna somos chamados a fazer parte deste banquete celestial de amor e misericórdia. Pela constante ajuda da Mãe de Deus, nós – os filhos  –  vemos dissipar as angústias e abatimentos, sempre confortados pela presença de Jesus diante de nossos pedidos e aflições.

Indulgências Plenárias

Não só temos um ano inteirinho para reconhecer e confiar na poderosa intercessão de Nossa Senhora Aparecida como podemos receber, assim como no Ano Santo da Misericórdia, as indulgências plenárias.

A autorização partiu do próprio papa Francisco para aqueles que “verdadeiramente penitentes e impulsionados pela caridade” visitarem na forma de peregrinação o Santuário Nacional de Aparecida (no interior de São Paulo) ou qualquer igreja paroquial do Brasil dedicada à padroeira do país.

Para alcançar as indulgências plenárias durante o Ano Nacional Mariano é preciso cumprir com as condições habituais.  Os fiéis precisam buscar os sacramentos da Reconciliação (confissão) e da Eucaristia, além de rezar na intenção do Santo Padre, o papa. Ao fazer a peregrinação os romeiros devem participar das celebrações jubilares ou, ao menos, dedicar tempo suficiente às orações a Deus por intercessão de Maria.

O documento do Vaticano estabelece ainda uma condição especial ao devoto que, por motivos de idade ou saúde, não possa realizar a peregrinação. Para alcançar as indulgências estas pessoas devem rejeitar todo pecado também buscando a confissão, a eucaristia e rezando pelo Papa. O registro da Santa Sé declara que “com profundo fervor podem dedicar-se espiritualmente diante de uma pequena imagem da Virgem Aparecida, ofertando suas preces e dores ao Deus misericordioso por Maria”.

Sabemos que o ato de peregrinar em direção aos templos de fé católica sempre foi um rito piedoso de grande devoção. Ir rumo aos santuários e igrejas dedicados a Nossa Senhora Aparecida durante este período é um sinal visível de busca e refúgio no infinito socorro e assistência da Mãe de Deus. O Santuário Nacional de Aparecida, aliás, é o maior complexo mariano do mundo e maior centro de peregrinação religiosa da América Latina, chega a receber 12 milhões de fiéis todos os anos.

Esperamos com esta iniciativa nos tornar mais fortes pela fé e veneração a Rainha e Padroeira do Brasil. Que Nossa Senhora Aparecida nos acolha em sua infinita bondade e nos ensine a progredir como discípulos e missionários da Palavra de Deus!

“Na imagem de Nossa Senhora Aparecida há algo de perene para se aprender. Deus ofereceu ao Brasil a sua própria Mãe.” (Papa Francisco)

_________________ 

PasCom São José Trabalhador



Deixe o seu comentário

Campos obrigatórios estão marcados com *

Comentários do Facebook

Copyright ©2019 | Arquidiocese de Curitiba - Paróquia São José Trabalhador | Todos os direitos reservados.

Desenvolvido por Dintstudio
×Fechar